Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ninita's

Quem sou eu? Simples, sou uma pessoa normal, que vive numa pequena cidade normal. Sou brincalhona, divertida, trabalhadora e muito simples. Na pratica, sou igual a todas as outras pessoas deste mundo. Bem Vindos a este "meu mundo virtual".

Ninita's

Quem sou eu? Simples, sou uma pessoa normal, que vive numa pequena cidade normal. Sou brincalhona, divertida, trabalhadora e muito simples. Na pratica, sou igual a todas as outras pessoas deste mundo. Bem Vindos a este "meu mundo virtual".

26.06.20

E acabou por agora

Ninita

 

Sim, pelo menos durante algum tempo, acabaram os trabhos de casa. Finalmente. 

 

Já estava fartinha. Por mais q se queira, chegamos a um limite e as vezes, com tantos trabalhos, já não havia paciência. E eu não sou professora. 

Consigo ajudar em muita coisa, mas outras já nem me lembro.

 

Por isso, a partir das 16h10, é oficial. A miúda está de férias. Acabaram-se os trabalhos de casa, o edmodo, o zoom e o Google class.

 

Aleluia irmão... 

BIBLIOTECAS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PERAFITA: AS AULAS ESTÃO ...

 

25.06.20

Viver na santa parvalheira

Ninita

 

As vezes nem é mau. 

 

Sim, no meu bairro há para aí umas 15 casas, mas só 8 é que estão habitadas. Logo os vizinhos são poucos. E todos já de alguma idade, pelo que crianças aqui na zona há 2. A minha e outra. Mais nada.

 

Toda a gente se fala. Toda a gente diz : bom dia Ninita Maria. Toda a gente me conhece desde bebé. E eu conheço-os a todos. Ainda me lembro de brincar com os netos da vizinha, no baloiço dela. Ou eles no baloiço que fazíamos numa oliveira. Com corda e uma tábua. 😅😅 E claro que ficávamos com o rabo à assar da porcaria da tábua. Mas éramos livres e felizes. Ia para casa quando escurecia ou então quando ouvia o berro da minha mãe para vir para casa. É que corria feita doida, para não levar nas fuças... 🤣🤣

 

Aqui, ainda passa o peixeiro todos os dias. E vários padeiros. A vender o pão acabado de sair da padaria. Aqui, há bichos e bichezas. Melgas, formigas, moscas, lagartixas, joaninhas. 

Não há trânsito, não há confusão. E se ouvimos algum carro a chiar na rotunda, é pq anda ali algum doido a ver se faz um pião. Ou isso, ou é maluco cá da terra que gostava de fazer piões e fugir a GNR. 🤣🤣 Grandes tempos. 

 

A noite, ouvem-se os grilos a cantar. E o sossego lá fora. Sem carros, sem buzinas, sem nada.

 

Pode faltar cá muita coisa, mesmo muita, mas uma coisa é certa. Aqui, há paz. Descanso. E muitos corações quentes, defensores da terra e dos costumes antigos. 

 

Aqui, não há centros comerciais para se andar enfiado. E ao domingo, parece uma aldeia fantasma. Mas, no final de contas, aqui nasci e aqui fui criada. Aqui cresci e criei a minha família. Criei a minha casa, a minha vida. 

 

Aqui, sou eu. Apenas eu. Uma menina do campo, que se tornou mulher e não perdeu as suas raízes. 

 

Aqui, sou apenas eu. A Ninita Maria, das bacoradas e riso estridente. 

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog Portugal

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub