Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ninita's

Quem sou eu? Simples, sou uma pessoa normal, que vive numa pequena cidade normal. Sou brincalhona, divertida, trabalhadora e muito simples. Na pratica, sou igual a todas as outras pessoas deste mundo. Bem Vindos a este "meu mundo virtual".

Ninita's

Quem sou eu? Simples, sou uma pessoa normal, que vive numa pequena cidade normal. Sou brincalhona, divertida, trabalhadora e muito simples. Na pratica, sou igual a todas as outras pessoas deste mundo. Bem Vindos a este "meu mundo virtual".

13.02.20

Que não usem a indiferença como defesa

Ninita

 

Infelizmente, seja no nosso pais ou noutra zona qualquer, os sem abrigo são uma realidade. E porque?

Antigamente, na altura das vacas gordas, muitos compravam casas, carros, ferias, roupa de marca e havia empréstimos para tudo.

Um dia, as vacas ficaram magrinhas e muito boa gente, que estava habituada a levar uma vida desafogada, ficou nas lonas. Muitos deles, ficaram sem empregos, sem rendimentos. Mas as contas estavam lá para serem pagas. E os bancos não perdoam.

Quantos e quantos não perderam tudo o que tinham e o que não tinham? Quantos passaram de viver numa vivenda de 5 quartos, para passarem para um quarto alugado, no sotão de uma casa a cair? E quantos até sem esse dinheiro ficaram?

Quantos trabalhavam de sol a sol, saindo de casa antes das galinhas acordarem e chegavam já todo o povo estava a dormir, para no final do mes, não receberem o ordenado?

Quantas e quantas situações há neste mundo, que faz com que alguem fique a dormir na rua. Infelizmente há situações demais.

 

Ontem, o gajo disse-me que tinha um novo colega com ele. Que ia começar a trabalhar hoje. Alguém, que estava a trabalhar lá na França, que trabalhou e recebeu ordenado. Ate que deixaram de lhe pagar. O homem, enquanto teve dinheiro, aguentou. Ate que o dinheiro acabou e ficou a dormir na rua.

Caiu-me tudo. Tudinho.

Foi a obra onde eles andavam. Estava lá o patrão. Pediu trabalho. Tiveram pena dele. E deram-lhe trabalho. E casa para tomar banho. E sofá para dormir. E frango para comer.

E eu? Eu chorei. Porque acho impressionante. As pessoas trabalham, logo têm de receber. Quero lá um saber se o patrão precisa de um carro topo de gama. Fonix, trabalhe para o ter. Mas não o tenha com o dinheiro do trabalho dos outros. Não cuspa para o ar, porque ainda lhe pode cair na cara.

Fiquei triste. E pensei : o meu gajo teve sorte, mas quantos não estão na mesma situação? Quantos não vão ao engano? Quantos não vivem na rua, porque foram enganados?


Ninguém merece. Ninguém. Sejam brancos, pretos, amarelos, as bolinhas. Sejam magros, gordos. Sejam o que forem. Ninguém merece.

 

Por isso, sejam honestos. Pensem que todos precisamos de dinheiro para viver e sobreviver. Transformem a pena que têm, em acções.Não querem dar dinheiro? Dêem comida. Dêem roupa. Só não dêem indiferença, porque isso, já sabemos que há demais.

14 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blog Portugal

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D